Nem toda brasileira é bunda


“PAGU” é um projeto coletivo, resultado do trabalho de quatro alunas do Curso de Jornalismo da UFMA, em Imperatriz. O título do jornal é em homenagem a Patrícia Rehder Galvão (1910-1962), conhecida como Pagu. Ela foi jornalista, escritora e ativista política que juntamente com o escritor Oswald de Andrade, lançou em 1931, um tablóide político no qual assinava a coluna feminista "A Mulher do Povo". Ela sempre acreditou que as mulheres deveriam ter um papel mais ativo na sociedade e na política.

A referência é inspiradora. Pagu representa, nós mulheres, fazendo uma alusão entre Tarsila do Amaral e Maria Bonita.

Por razões históricas e culturais, o homem ganhou protagonismo na sociedade e atirou a mulher para a clausura do lar e os serviços domésticos. O peso da tradição é muito grande e tem sido difícil a caminhada para a igualdade na diversidade. Já foram dados passos importantes. Podemos verificar que as mulheres, principalmente na cultura ocidental, vão ganhando terreno nos domínios da política, da investigação científica, do exercício do poder judicial e em vários aspectos da sociedade.

Em sua 1ª edição, PAGU traz uma entrevista com a delegada titular da Delegacia de Mulheres de Imperatriz. Apresenta ainda uma matéria sobre as conquistas femininas no mercado de trabalho. Além de dicas de beleza, saúde e corpo. Faz um passeio histórico sobre o feminismo no Brasil e no mundo.

Mulheres inquietas e atentas à realidade, optamos pelo uso da palavra escrita para transmitir nossas idéias pelo jornal, como meio de fazê-las chegar a um maior número possível de pessoas.

1 Comment

  1. Ralfer On 28 de julho de 2008 20:57

    Excelente iniciativa. Eu adorei teu blog, Alda! =D